O lado certo da vida errada: o livro-reportagem que mergulha na rotina de um dos traficantes mais procurados do Rio de Janeiro

Dizem que ler é viajar sem sair do lugar. Eu, nas férias, não poderia ter visitado lugar melhor, o qual me proporcionou a mais intensa das aventuras dentro da minha área profissional. Escolhi o Rio de Janeiro como destino, e em 560 páginas, muito bem pilotadas por Caco Barcellos, visitei a famosa favela Santa Marta. Subi morro, desci morro, assisti à gravação de um clipe de Michael Jackson, conheci histórias de traficantes e me envolvi com a vida do mais famoso entre eles.

O Dono do Morro Dona Marta.

Márcio Amaro de Oliveira, conhecido como Marcinho VP, foi encontrado morto dentro de uma lixeira no Complexo Penitenciário de Bangu, atual Complexo Penitenciário de Gericinó, poucos meses após o lançamento do livro que relata como funcionava o esquema de tráfico de drogas no Dona Marta. Juliano VP, codinome de Marcinho VP, adotado pelo autor para escrever a obra, foi morto pelos companheiros do Comando Vermelho, a principal facção criminosa que o estado de Rio de Janeiro já conheceu. Juliano gostava de ler, sonhar alto e penetrar no pouco de cultura que a vida lha deu. Era romântico, sabia liderar como ninguém e prezava pela confiança e por fazer o que é certo — lema visto com ironia.

Lançado em 2003 e vencedor do Prêmio Jabuti 2004 na categoria “Reportagem e Biografia”, “Abusado – O Dono do Morro Dona Marta” foi o resultado de um longo trabalho de investigação, pesquisas delicadas e conversas com os responsáveis pelo tráfico de drogas na comunidade. O jornalista Caco Barcellos entrou no Dona Marta e saiu de lá com a promessa de contar a história de Marcinho VP, a pedido do próprio traficante. O livro nos apresenta a discriminação na favela, a falta de oportunidade dos moradores, a violência e o lado corrupto da polícia. Mas a pertinência está na resenha do lado humano do personagem principal, o mesmo que defende a organização das bocas de fumo e o companheirismo entre os “irmãos” de guerra.

E quanta guerra.

Com linguagem pouco formal, Caco mergulha na história de um dos criminosos mais procurados do Rio de Janeiro. O leitor tem a oportunidade de conhecer o dia a dia de uma favela carioca por meio de descrições minuciosas feitas pelo escritor. Um exemplo curioso é a narração de como foi feita a segurança, pelos homens de Juliano, de Michael Jackson no Dona Marta, durante a gravação do clipe “They Don’t Care About Us”. O acontecimento gerou discussão entre ministros que eram contra a exposição desse “lado” brasileiro no Exterior. Juliano batalhou e recebeu o astro americano em sua comunidade.

E a gente não liga pra eles.

 

Abusado Caco Barcellos

Uma das melhoras obras investigativas que já li. O livro-reportagem é também romance. Emociona, sensibiliza e impressiona.

 

 

Caco Barcellos Jornalista

“Tenho um projeto sério pro futuro: morrer trabalhando. Se conseguir ir trabalhando até o fim, que maravilhoso para a saúde!”, disse Caco Barcellos em entrevista à Revista Trip.

 

 

Marcinho VP ficou conhecido em 1996, quando a equipe do cineasta americano Spike Lee teve de pedir sua autorização para gravar um clipe de Michael Jackson no morro Dona Marta (zona sul), onde controlava o tráfico de drogas.

Márcio Amaro de Oliveira, o Marcinho VP.

 

Saiu na Folha de S. Paulo.

Saiu na Folha de S. Paulo.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s